A importância do médico veterinário no manejo sanitário dos animais de produção

por Raíssa Guimarães | 2 de novembro de 2020

Compartilhe

Adotar boas práticas é essencial para o rebanho pois, no caso de doenças, parasitas e demais enfermidades podem comprometer todo o desempenho da produção.

Além disso, o manejo realizado de forma incorreta cria barreiras sanitárias pelos mercados consumidores, prejudicando todo o setor. 

Muito além do que se imagina, o médico veterinário faz mais que diagnosticar doenças e receitar tratamentos. Ele possui papel fundamental nos processos do manejo sanitário, estando presente em todas as etapas, desde o momento que o animal entra na fazenda até a hora que saem os resultados de sua produção. 

Para entender melhor sobre o que é o manejo sanitário e a importância do médico veterinário nesse processo, continue com a gente!

Manejo Sanitário

O manejo sanitário visa garantir uma produção de alta qualidade através da saúde e bem-estar dos animais.

Assim, medidas como colocar em prática o calendário sanitário, realizar o controle de transmissão e vermes, oferecer treinamento para a equipe que cuida diariamente dos animais e traçar estratégias de contenção de contaminação são de responsabilidade do médico veterinário. 

A implementação de medidas preventivas e curativas do manejo sanitário, além de aumentar a produtividade, assegura uma produção saudável.

Por isso, é importante que o produtor tenha um profissional de confiança para guiá-lo nesse processo e garantir as boas práticas a favor do seu rebanho.

Calendário de controle sanitário 

Considerada uma medida básica, o calendário anual de doenças, criado pelo médico veterinário, estabelece todas as datas da vacinação do rebanho, auxiliando no controle de enfermidades. 

Além das vacinas obrigatórias, que são estabelecidas de acordo com os programas oficiais, como a febre aftosa e a brucelose, o médico veterinário indica, dentro das condições do rebanho, outras vacinas que achar necessário.

Alguns produtores opta por não oferecer além do básico e acabam tendo prejuízos com o tratamento de enfermidades ou até mesmo com a morte de parte do rebanho.

Controle de transmissores e vermes

A vermifugação do rebanho deve estar em dia e, mais uma vez, o trabalho do médico veterinário entra em ação. Mesmo que não seja necessário ele administrar o medicamento, são as recomendações dele que devem ser seguidas, como quais são os vermífugos e antiparasitas adequados e com que frequência devem ser administrados.

Treinamento da equipe

Mesmo que o médico veterinário faça visitas frequentes, ele não está diariamente com o rebanho. Por isso, é importante que a equipe responsável pelo manejo diário saiba reconhecer sintomas das principais doenças, além de ministrar corretamente os medicamentos prescritos. 

Sendo assim, o produtor que visa seguir as boas práticas, deve investir em palestras e treinamentos para a sua equipe realizar um trabalho de forma precisa e eficiente.

Isolamento e contenção de animais contaminados

Grande parte das doenças que afetam o rebanho são transmissíveis, pensando nisso é importante que o produtor tenha áreas de isolamento para que o animal ou animais contaminados não tenham contato com os demais, para que o veterinário seja acionado e todo o tratamento necessário seja realizado. 

É importante também que o médico veterinário conte com insumos de qualidade para realizar seu trabalho com tranquilidade. Para isso, é necessário uma distribuidora e atacadista veterinária de confiança e que atenda todo o Brasil. 

A Central Veterinária, tem disponível em seu catálogo mais de 3 mil produtos da melhor qualidade para auxiliar os profissionais em todos os processos de atendimento.

Conheça nosso catálogo completo.

POSTS RELACIONADOS

Febre aftosa: o que você precisa saber para proteger o rebanho

por Raíssa Guimarães | 18 de novembro de 2020

Estamos no mês da segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa na maioria dos estados brasileiros, e vale lembrar

LEIA MAIS

© Central Veterinária . Todos os direitos reservados.